sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Rurópolis registra segundo caso de Febre Amarela no Pará

Exames laboratoriais, aponta o segundo caso de Febre Amarela em Rurópolis, um primata foi diagnosticado com o vírus em uma comunidade Rural no Km115, do município localizado às margens da BR230 no oeste do Pará. O anuncio foi feito nesta quinta-feira (23), o comunicado foi emitido para cidades vizinhas através da secretária de saúde da cidade, enfermeira Fernanda Cardoso. 
Em nota a secretária destacou que:

"Aviso a todos que estamos intensificando as ações de imunização, mas que a prevenção da Febre Amarela também depende do controle dos vetores e para isso, amanhã (sexta) começará a aplicação de fumacê nas comunidades onde foram encontrados os macacos mortos que deram positivo. Esclarecemos que esta secretaria não tem medido esforços para que não aconteçam casos humanos. Hoje chegaram mais 1000 doses da vacina e estamos aguardando a chegada de mais 20.000 doses para próxima semana. E que neste momento precisamos de voluntários para que esta imunização chegue a quem precisa". esclarece a nota
Cidades como Uruará, já estão com ações de combate ao mosquito Aedes Aegipty, e pedindo que as comunidades rurais informem imediatamente os diagnósticos da região para controle da secretaria de saúde da cidade, Placas, Itaituba e Santarém já receberam os comunicados da SESPA e também estão com ações no combate a doença, outras cidades já iniciaram campanhas amplas de conscientização, em Senador José Porfírio, caminhadas e eliminação de focos do mosquito estão sendo feitas.
DADOS:
Sintomas
A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

PREVENÇÃO:
Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.


Por: Felype Adms (com informações de Joabe Reis, ASCOM PMR, ASCOM PMSJP e SESPA)

Nenhum comentário:

Postar um comentário