quinta-feira, 31 de outubro de 2013

MPE requer redução de tempo de espera em filas de Banco e agências em Altamira

Em Altamira, sudoeste do Estado, os promotores de justiça Gustavo Rodolfo Ramos de Andrade e Nadilson Portilho Gomes expediram, no dia 24, Recomendação aos Bancos do Brasil S.A e Bradesco, requerendo melhorias para o atendimento ao público.

A Recomendação foi dirigida à superintendência do Banco do Brasil S.A. e do Bradesco, bem como, aos gerentes das agências bancárias de Altamira, para que observem os mandamentos legais ao atendimento dos consumidores e que seja respeitada o que diz a lei municipal no que se refere ao tempo máximo de espera.
Caso ocorra o não cumprimento da determinação serão tomadas as providências cabíveis, inclusive medidas de ação judicial para a concretização dos direitos dos consumidores, bem como, a indenização por danos morais causados pela conduta ilícita em face de seus direitos e a responsabilização daqueles que, por ação, omissão, dolo ou negligência, deram causa às irregularidades por acaso verificadas.

De acordo com o promotor Nadilson Gomes, a superintendência dos Bancos e gerentes das agências do município, terão prazo máximo de 30 dias para informar acerca de sua discordância ou do seu acatamento. “Nesse caso, os envolvidos terão que especificar quais medidas serão adotadas para melhorar o atendimento nas agências bancárias e inclusive informar o prazo para implementação dessas medidas”, disse o promotor.

Gomes explicou ainda que nos casos de dias e horários de maior movimento, seja criado um sistema de reforço de atendentes “seja aumentado o número de guichês de atendimento, ou mesmo instalem novas agências no município, a fim de atender as exigências da legislação em vigor sobre o assunto”, esclareceu.

A medida foi tomada mediante Inquérito Civil Público (ICP) após receber denúncias de consumidores, sendo constatado em diligência realizada em abril de 2013, pelo Ministério Público do Estado do Pará (MPE) nas agências bancárias do município de Altamira, no qual foi constatado o tempo excessivo das pessoas em fila de espera, havendo, portanto, o descumprimento da lei municipal de nº. 2012, de 23 de abril de 2009.

O MPE entendeu que mesmo com o nível reduzido de escolaridade da maioria dos usuários e o aumento de pessoas em busca de atendimentos, devido as obras de Usina Hidrelétrica de Belo Monte, isso não pode ser utilizado como argumento para desobrigar as instituições bancárias do seu dever de respeitar os direitos dos consumidores.


Fonte: Portal O Xingu

Mercado coloca 'pedaços humanos' em setor de congelados e cria polêmica

Empresa se desculpou com seus clientes pela brincadeira de mau gosto e retirou os produtos das lojas


Noruega - O Dia das Bruxas é realmente levado a sério nos Estados Unidos e na Europa. O engajamento é tanto que um supermercado da rede Europis, que tem filiais em toda a Noruega, embalou membros humanos de borracha e os espalhou junto com carnes bovinas no setor de congelados. O que era para ser uma pegadinha, se transformou em indignação.

Pedaços de membros humanos de brinquedos foram embalados e espalhados no setor de congelados
Foto:  Reprodução Internet

Um cliente do estabelecimento da rede repudiou o fato, afirmando que o mundo já anda "violento o suficiente para que as pessoas coloquem coisas tão bizarras nas lojas". Outra cliente condenou a forma como é imposta a cultura norte-americana. "É uma vergonha que o Halloween, uma tradição americana, seja empurrada pela nossa garganta", disse ao jornal britânico Daily Mail .
A repulsa foi tanta que as imagens das "partes humanas" congeladas começaram a aparecer no Facebook. Na página da empresa, a Europis foi criticada por todos os clientes.

Rostos humanos de brinquedos são espalhados junto com carnes bovinas
Foto:  Reprodução Internet

Diante do ocorrido, o porta-voz da rede, Knut Spaeren, se desculpou com os clientes e acrescentou que todos os brinquedos foram retirados dos estabelecimentos. "Não queríamos chatear ninguém, principalmente crianças. Retiramos os falsos membros humanos imediatamente", afirmou em comunicado. 

No PA, homem que divulgava crimes em blog é preso suspeito de matar PM Segundo a polícia, homem matou soldado da PM em junho desde ano. Outro suspeito de envolvimento no crime continua foragido.

Segundo a polícia, homem matou soldado da PM em junho desde ano. Outro suspeito de envolvimento no crime continua foragido.


Um homem que, segundo a polícia, mantinha um blog para divulgar crimes que cometia na internet foi preso dentro do apartamento onde mora nesta quinta-feira (31), suspeito de matar o soldado da Polícia Militar (PM), Carlos Alberto Saldanha, no distrito de Icoaraci, em Belém, no mês de junho deste ano. A Divisão de Homicídios da Polícia Civil já investigava o suspeito e um segundo criminoso, que continua foragido. Eles são apontados pela PC como autores do roubo que causou a morte do PM.
"Carlos Alberto Saldanha era lotado no batalhão de Icoaraci. [Ele] foi fazer um saque por volta das 22h30 do dia 30 de junho, e quando ele parou em frente ao posto de gasolina, foi atacado pelos dois bandidos e, na pretensão de levar a moto dele, [os ladrões] acabaram por matá-lo", afirmou o delegado da Divisão de Homicídios da Polícia Civil, Gilvandro Furtado.
Polícia diz que homem postava foto em blog exibindo 
dinheiro roubado (Foto: Reprodução/TV Liberal)
O suspeito foi preso na manhã desta quinta no apartamento onde reside, no residencial Sevilha, na Augusto Montenegro. "Ele tem mais um parceiro. Gostaria de pedir a colaboração da população, que as pessoas tendo informações, ligue para 181, para ajudar a Polícia Civil a capturar esse elemento, que é da mais alta periculosidade. É assaltante, traficante, e tem prisão decretada pela Justiça também", acrescentou Furtado.
Após prender o suspeito, a polícia divulgou fotos que teriam sido postadas em um blog pessoal da dupla, onde imagens mostravam um dos homens com dinheiro roubado. "A ousadia e o cinismo desses criminosos é tão grande que eles possuem um blog na internet onde eles mostram o produto dos crimes as façanhas que eles fazem, com bebida, com mulheres, imaginando que jamais serão alcançados pela justiça. Esse blog só comprova a malandragem dele, a criminalidade que ele vive envolvido", disse o delegado da Divisão de Homicídios.
Segundo a Polícia Civil, suspeitos postavam fotos
na internet com produtos provenientes de roubos
(Foto: Reprodução/TV Liberal)
"Com as provas que a polícia dispõe que serão encaminhadas para o poder judiciário, com certeza eles serão condenados", conclui Furtado.
O suspeito foi encaminhado para o Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) e aguardam decisão da Justiça.
Entenda o caso
O soldado da Polícia Militar (PM), Carlos Alberto Saldanha, 35 anos, foi morto em junho deste ano no distrito de Icoaraci, na região metropolitana de Belém. Segundo a polícia, a vítima tinha medo da violência e pretendia deixar a corporação em breve.
A polícia afirma que o PM foi morto em um posto de gasolina. Ele estava estacionado em uma moto, esperando um amigo que havia entrado na loja de conveniência para fazer um saque em um caixa eletrônico. Foi quando dois homens armados teriam anunciado o assalto. O PM reagiu e acabou sendo baleado.
Carlos Alberto Saldanha trabalhava há 9 anos como policial militar, havia concluído no primeiro semestre o curso de Licenciatura em Biologia pelo Instituto Federal de Educação e Tecnologia (IFPA) e, segundo a família, tinha planos de sair em breve da corporação.

Fonte: G1/PA

Igreja evangélica cria o URC, o vale-tudo dos 'renascidos'.

Em sermão narrado no Evangelho de Mateus, Jesus dava a cara a tapa: “Ao que te bate numa face, ofereça-lhe também a outra”.
Na igreja Renascer, o corpo todo é entregue a bofetadas. Nesta versão gospel do UFC, vale-tudo, literalmente, para conquistar mais fiéis.
O presbítero Baby, 33, está no centro do octógono alugado por R$ 3.000 e instalado no Renascer Hall, da igreja da bispa Sonia Hernandes (para quem lutadores como Vitor Belfort e Anderson Silva são “tudo de bom”).
Ele é um dos organizadores do URF (Ultimate Reborn Fight, ou “a melhor luta do renascido”), cuja segunda edição foi realizada no sábado, 26, no espaço na Mooca (zona leste de São Paulo).

NÃO É A MAMÃE

O presbítero Baby, líder do Reborn Team, equipe de luta livre da Renascer (foto: Anna Virginia Balloussier)
Baby nasceu Vagner Miguel e, até 2005, era um “desviado” que traficava de maconha a lança-perfume no Jaraguá (zona norte). “Bebia muito” até se converter “instantaneamente” durante um acampamento evangélico para jovens. Virou líder nacional do Reborn Team, a “equipe dos renascidos” da igreja. Hoje, o faixa preta dá aulas de jiu-jítsu no Renascer Hall aos sábados, de graça, aberta a quem quiser chegar (outro instrutor ensina muay thai). Os atletas ouvem uma pregação após o treino.
Baixinho e atarracado, Vagner é Baby em homenagem ao bebê dos Silva Sauro, do seriado “Família Dinossauro” –aquele monstrinho que dá paneladas em quem “não é a mamãe”. Distribui sopapos no ringue, mas sempre com o intuito de evangelizar: a igreja vê no esporte uma isca para atrair públicos mais heterogêneos.
Essa pescaria começa na fila de homens com cabeleira tosada e manga curta (tamanho dois números menor, levando bíceps a pularem para fora feito restinho de pasta de dente no tubo). Também há crianças e mulheres –algumas com bebê no colo, outras com decote idem.
“Nós abominamos isso: roupa curta, indecência. Sensualidade não cabe na nossa visão”, diz Baby, cabeça balançando, a namorada ao alcance da visão (uma loira de calça comprida estilo legging, cabelos longos, lisos e platinados).
Entre UFC e URF, as diferenças não vão muito além de letras trocadas e a ausência das moças rebolativas de short curto na arena gospel.
Sobram sangue e nocaute nas lutas. As torcidas, exaltadas, não raramente subvertem o segundo mandamento: tomarás, sim, o nome do Senhor em vão, e também o da senhora sua mãe, sobretudo se o lutador de sua preferência estiver beijando a lona.
“Quem fala palavrão eu entendo que não é cristão”, me diz a assessora de imprensa da Renascer, que “ama” a pancadaria na igreja. “Ajuda a trazer os ímpios pra cá.”
Quem não frequenta igreja, no léxico evangélico, pode ser chamado de ímpio (“que tem desprezo pela religião”) ou secular (“que não cabe à Igreja, profano”), em duas definições do Houaiss.
Como na versão tradicional, há limites no URF: não pode cotovelada, golpe nas partes íntimas, agredir o rosto e “bate-estaca” (bater a cabeça do adversário repetidamente contra o chão), segundo Baby.

Lutadores no octógono instalado no meio da igreja para o URF – Ultimate Reborn Fight (Foto: Abdiel Silva e Bruna de Paula)
“Senhoooooras e senhooooores, irmãããããos e irmãããããs!”
Especificamente no sábado, o evento começou às 20h25, com um pedido de oração e a saudação do pastor. Nem todos os competidores (que atendem por nomes como Eduardo Peludo, Beto Anjo Loiro e Felipe Cabelo) são evangélicos.
Do lado de fora, algumas barraquinhas vendem itens para o público bombado. Uma camisa de R$ 35 leva na estampa:

Li que fumar fazia mal
Parei de fumar
Li que beber fazia mal
Parei de beber
Li que bomba fazia mal
Parei de ler

Daniel Barone, 36, é “terminantemente” contra anabolizantes e afins, que vão contra as diretrizes do seu credo.
Ele administra sua banquinha de produtos naturais trazidos de Belém do Pará, como o gel relaxante muscular (R$ 20) e o aromatizador bucal sabor framboesa (R$ 15). Também vende chaveiros com luvinhas de boxe a R$ 10.
Profissão: personal trainer. Bíceps: duas bolas de ferro sob cada braço. Igreja: Comunidade da Graça, no Tatuapé. Daniel não vê incoerência entre professar sua fé e aderir à luta livre. “Futebol também é violento. Às vezes morre gente na torcida”, ele diz enquanto negocia um frasco de guaraná em pó com uma cliente em potencial.

Fonte: 

Menina de 9 anos esfaqueia e mata tio em briga de família

Caso ocorreu durante uma briga de família em Belford Roxo. Testemunhas disseram à polícia que criança defendia a mãe.

Santarém - Uma menina de apenas 9 anos esfaqueou e matou o tio, de 34, durante uma briga de família em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, informou a Polícia Militar da região.

Segundo a polícia, o caso ocorreu no início da madrugada desta quinta-feira (17). A PM, porém, não soube informar o motivo da agressão.

Ariel Lourenço da Conceição chegou a ser levado para o Hospital Municipal Jorge Júlio Costa dos Santos (Joca), mas não resistiu ao ferimento e morreu durante socorro médico.


Testemunhas disseram à PM que a menina tentava defender a mãe. O caso foi registrado no 54ª DP (Belford Roxo).

Fonte: G1

VITÓRIA DO XINGU: MINISTÉRIO PÚBLICO REQUER CRIAÇÃO DE PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO AO USO DE DROGAS


Fonte: Anapu em Foco

Pescadores desbloqueiam Rodovia Transamazônica.

Rodovia estava interditada desde a noite da última terça-feira (29). Uma reunião ficou agendada para o mês de novembro com a Norte Energia

Pescadores liberaram a rodovia na tarde desta
quarta-feira (30). (Foto: Reprodução/TV Liberal

Pescadores desbloquearam a rodovia Transamazônica, em Altamira, no sudoeste do estado, na tarde desta quarta-feira (30). Desde a noite da última terça-feira (29), um grupo de 300 pescadores dos municípios atingidos pelas obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte interditavam a rodovia.

Pescadores e representantes da Norte Energia, empresa responsável pela implantação da usina, devem realizar reuniões nos dias 11 e 12 de novembro para debater a pauta de reivindicações do grupo, de colônias de pesca dos municípios de Altamira, Vitória do Xingu, Anapu e Senador José Porfírio.

Essas reuniões vão dar continuidade a rodada de negociação sobre as indenizações dos pescadores.

Os manifestantes dizem que foram prejudicados com o início da construção da hidrelétrica porque os peixes estão mais escassos nos rios. Eles querem indenização da empresa responsável pela obra.

Por causa do bloqueio um congestionamento de mais de 5 km se formou nos dois lados da rodovia. Mais de 200 ônibus que levavam operários para as obras da Usina de Belo Monte ficaram impedidos de passar e os trabalhadores tiveram que voltar para a cidade.


Fonte: G1/PA



Ministério Público quer identificar clientes lesados da Multiclick

Na tarde desta segunda-feira (28) mais um incidente violento marcou a relação entre clientes e a empresa Multiclick, unidade localizada na 4ª Avenida. Um vídeo divulgado nas redes sociais, mostra o confronto entre seguranças e clientes que alegam terem sido prejudicados pela empresa. 
Depois disso o promotor Rosan da Rocha divulgou na internet que a 6ª Promotoria, que atua na área de direitos do consumidor, está reunindo reclamações e relatos de clientes contando os fatos, como ingressaram no sistema, o que assinaram e os valores. O objetivo é incluir as informações em investigações feitas pelo MP. O órgão apura se a empresa trabalha com sistema de pirâmide e prejudica assim, os consumidoes. “Esta informação não é para a devolução do seu dinheiro, e sim, para que se possa ter ainda mais provas das possíveis ações ilícitas da empresa contra os consumidores. Como também, os lesados, podem registrar Boletim de Ocorrência e contratar um advogado”, comentou o promotor. 

Quem tiver interesse em incluir seu relato junto ao MP pode enviá-lo para rrocha@mp.sc.gov.br se identificando, ou pode se dirigir até a 6ª Promotoria de Justiça pra realizar a reclamação pessoalmente.

Quem perde na guerra de Belo Monte

O debate sobre Belo Monte parece uma discussão sobre meio ambiente. Não é. A questão envolve nosso desenvolvimento e o bem-estar da população, em especial a mais humilde

Faça um teste de sinceridade: antes de seguir a leitura deste texto, desligue o computador por um minuto e, no escuro, tente adivinhar qual o tema em discussão. 

Quando você ligar de novo, irá descobrir que o assunto é a construção da Usina de Belo Monte. 

Há dois dias, a Justiça deu nova liminar que interrompe a construção da usina, planejada para ser a maior hidrelétrica em atividade no território nacional depois de Itaipu. O desembargador federal Antônio de Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF-1) acolheu denúncia do Ministério Público Federal, que afirma que não estão sendo cumpridas condições estabelecidas pelo Ibama. 

A decisão liminar de Souza Prudente determina a anulação da Licença de Instalação da usina. 

Não é o primeiro nem o último capítulo de uma guerra. 

Já existe uma determinação de suspensão de uma liminar semelhante, assinada pelo presidente do Tribunal. A licença de instalação da usina está em vigor, de qualquer maneira. 

Esta liminar representa a 27ª interrupção nos trabalhos desde que as obras tiveram início, em 2011. Sendo generoso, temos uma interrupção a cada mês e meio, em média. É um plano de guerra através dos tribunais, vamos combinar. 

Em matéria de judicialização, essa forma de interferir nas decisões do Estado sem levar em conta a soberania popular, que se manifesta nas urnas, pelo voto que escolhe os representantes da nação, deve ser um recorde mundial. 

O mini apagão sugerido no teste se justifica pelo seguinte. Para acompanhar o crescimento da economia, estima-se que o país precise ampliar em 5,2% ao ano sua oferta de energia na próxima década. Este cálculo é oficial. É assumido pelo ministério das Minas e Energia e pela Norte Energia, que constrói Belo Monte, fontes responsáveis pela maioria das informações deste texto. 

Você tem todo o direito de duvidar dos números, mas é bom admitir que dificilmente irá encontrar informações muito diferentes. A ordem de grandeza, de qualquer modo, não se altera. É possível mudar a interpretação dos dados, naturalmente. 

Aí não estaremos discutindo Ciência, mas política, esse saudável exercício civilizatório. O debate sobre Belo Monte parece uma discussão sobre meio ambiente. Não é. A questão envolve nosso desenvolvimento e o bem-estar da população, em especial a mais humilde. 

Desde que se descobriu que um cavalo poderia puxar uma carroça se sabe que não há desenvolvimento sem energia. E desde que a questão ambiental tornou-se um valor das sociedades contemporâneas, é um fator que deve ser levado em consideração. 

Em Belo Monte estamos falando de um investimento de R$ 27 bilhões, que emprega 24.000 trabalhadores e envolve umas das formas mais limpas de geração de energia que se conhece. 

Estima-se que a energia de Belo Monte irá atender a 60 milhões de pessoas – quase um terço da população brasileira hoje. A menos que pretenda prolongar nosso apagão de um minuto indefinidamente, seria preciso experimentar alternativas mais caras e mais poluentes para não deixar essa fatia imensa de brasileiros na treva. 

Por exemplo: para substituir a potência de Belo Monte seria preciso construir 19 usinas termoelétricas, que iriam gerar uma poluição de 19 milhões de toneladas de gás carbônico por ano, valor superior às emissões totais de todo setor elétrico brasileiro em 2007. Outra possibilidade, sem dúvida menos poluente, seria energia solar. O custo seria 6 vezes maior. 

Neste exercício interativo, é só multiplicar sua conta de luz por seis para se ter uma ideia do que estamos falando. Imagine esse preço na conta das famílias mais pobres. 

É a regressão forçada à vela e à lamparina, certo? Lembra daquele economista que quer impedir a poluição atmosférica elevando o preço da carne e do leite para reduzir nossos rebanhos? É o mesmo raciocínio. 

Não custa relembrar algumas verdades conhecidas. Elaborado e reelaborado ao longo de três décadas, o projeto de Belo Monte é produto de uma sucessão de negociações. As medidas compensatórias, destinadas a beneficiar população do lugar, envolvem gastos de R$ 3,7 bilhões de gastos nos onze municípios atingidos. Não vou listar investimentos e melhorias em curso – algumas essenciais -- porque a ideia não é embelezar as coisas. Basta dizer que só por causa de Belo Monte a cidade de Altamira, com mais de 100 000 habitantes, ocupando uma área equivalente ao Ceará e maior do que o Acre, por exemplo, terá seu primeiro sistema de água e esgoto. 

Colocada no centro de uma mobilização internacional que há décadas procura colocar a Amazônia como uma reserva ecológica da humanidade – sob zelo dos Estados Unidos, naturalmente -- à margem da soberania do território brasileiro, é compreensível que a população local procure tirar proveito de todos holofotes, nacionais e internacionais, para arrancar cada dólar e cada real a mais para si, para suas famílias e seus descendentes. 

Não se pode, contudo, perder de vista um ponto essencial. Da mesma forma que a população norte-americana tem a palavra final sobre o Alaska e a população de todo país define o que fará com seus tesouros naturais, o destino sobre a Amazônia é uma discussão entre brasileiros. E, neste aspecto, é fácil reconhecer que o projeto de Belo Monte é uma proposta bem encaminhada. Ao longo de décadas de debate, várias mudanças foram realizadas, implicando em recuos e concessões dos chamados “desenvolvimentistas”. Nem todo mundo já percebeu, mas os verdadeiros sectários, insensíveis, em grande medida reacionários, estão entre seus adversários.

Em relação ao projeto original, elaborado pelos padrões de uma época em que a questão ambiental estava fora da agenda, a usina ocupará um terço da área inicial. A tecnologia de geração de energia não se baseia em grandes reservatórios, como ocorre no mundo inteiro, mas no método fio d’água, que produz eletricidade de acordo com a velocidade do rio. Em relação ao que poderia gerar, Belo Monte terá uma produção considerada modesta, equivalente a 42% de seu potencial, contra uma média nacional superior a 50%. É o preço que se considerou conveniente pagar pelo respeito a cultura e hábitos da população da região. 

E é um preço tão alto que vários engenheiros da área hoje questionam se vale a pena construir uma usina com tão alto custo para benefícios relativamente baixos – ou se vale a pena abrir uma discussão política que até agora ficou fechada, em gabinetes que favorecem a ação de ONGs e lobistas ecológicos, para tentar chegar a parâmetros mais compensadores. 

Em termos sociais, a obra irá provocar o deslocamento de 20 000 pessoas. É um numero respeitável, mesmo quando se considera que equivale a 5% da população da área, de 400 000 pessoas. 

Ao contrário do que se costuma divulgar, em momentos de súbito interesse pela sorte dos primeiros brasileiros, nenhuma das 12 áreas indígenas será alagada. Por exigência das negociações, será construído um canal de 20 km para que suas áreas não sejam atingidas. 

Nesta situação, ocorre uma charada conhecida dos confrontos políticos, tão bem definida na fábula do Cordeiro e o Lobo. O detalhe é que, desta vez, muitas pessoas ainda não se deram conta de que o Lobo veste pele de cordeiro. 

O que acontece com Belo Monte, então? Desligue a luz por um minuto e tente imaginar.


Fonte: IstoÉ

Paulo Moreira Leite
Diretor da Sucursal da ISTOÉ em Brasília, é autor de "A Outra História do Mensalão". Foi correspondente em Paris e Washington e ocupou postos de direção na VEJA e na Época. Também escreveu "A Mulher que Era o Outro General da Casa".

Homem agredido pela esposa denuncia violência e sai de casa em SE

Filho do casal de dois anos presenciou as agressões, diz vítima. Ele registrou boletim de ocorrência na Delegacia Plantonista.

Um homem procurou a polícia após ser agredido fisicamente pela esposa na residência em que vivia no Bairro Santos Dumont, na Zona Norte de Aracaju (SE). As agressões ocorreram na noite do último domingo (27), mas a vítima só registrou boletim de ocorrência nesta quarta-feira (30).
De acordo com o homem, em depoimento na Delegacia Plantonista, ele convive com a esposa há quatro anos e o casal tem um filho de dois anos e meio, que presenciou as agressões.
Segundo ele, a esposa aproveitou o momento em que ele dormia para agredi-lo.  A criança ficou muito assustada e chorou muito, além de não querer ficar na companhia da mãe. 
Na mesma noite, a companheira da vítima ligou para a polícia e informou que havia sido ameaçada pelo companheiro. Com medo da esposa, o homem saiu de casa e está dormindo no local de trabalho, pois não tem parentes na capital.
Fonte: G1/SE

MORRE MÃE DO CANTOR NALDO, NO RIO

A mãe do cantor Naldo, Dona Ivonete, morreu na noite desta quinta-feira. A dona de casa, que chegou a emagrecer 50 Kg, perdeu a batalha contra um câncer. Ivonete descobriu a doença em fase avançada e não conseguiu iniciar o tratamento de quimioterapia. Ela estava internada no Hospital São Lucas, em Copacabana, Zona Sul do Rio. Ainda não há informações sobre a hora e local do velório.
Com a saúde frágil, Dona Ivonete chegou a desmaiar antes da cerimônia de casamento do filho com a funkeira Ellen Cardoso, em setembro. “A familia (evangélica) está muito triste, mas tem fé em Deus”, diz a assessoria do cantor.
No Instagram, Naldo prestou uma homenagem a mãe. "Nem que eu escreva um livro, não seria suficiente. Não caberiam todas as palavras de amor pela Senhora! Deus te chamou, nada posso fazer, mas não posso negar nem esconder como vou viver com tanta saudade. Fiz e faria de tudo e mais, muito mais pra te ter comigo, mulher guerreira, de Deus, fiel, amorosa, exemplar. Te devo tudo que sou. TE AMO MUITO, MÃE. Vá em PAZ. Orgulho de ser filho da pessoa mais linda, por dentro e por fora! Nesse mundo, igual nunca vi! Contigo vi a verdade na palavra de Deus, combateu o bom combate, acabou a carreira e guardou a fé! Dona Maria Ivonete Santana da Silva, TE AMO!!!!!!!", escreveu.
No Teleton, no último dia 26, o cantor mandou um recado emocionado para a mãe. "Mãe, não existe abraço mais confortável, mais gostoso e mais quente que o seu. Estou torcendo muito pela sua recuperação. Daqui a pouco vou aí para você me encher de beijo. Te amo", disse.


Fonte: O Globo

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

MPE denuncia Domingos Juvenil e outros 14 por R$ 900 mil em fraudes

Fraudes teriam ocorrido entre 2007 e 2010, na Alepa. Licitações irregulares envolviam falsificação de documentos e assinaturas.

O Ministério Público Estudal (MPE) denunciou o prefeito de altamira, Domingos jJuvenil, e mais 14 pessoas por fraudes em licitações na Assembléia Legislativa do Pará (Alepa). As irregularidades aconteceram entre 2007 e 2010. O desvio de dinheiro público é de quase R$ 900 mil reais em valores atualizados.

O MPE investigou 12 processos de licitação para a compra de móveis e material de expediente para a Alepa, mas identificou que os documentos foram montados para desviar recursos.

Foi constatado que nenhuma das empresas participou das licitações. Algumas delas sequer vendiam os produtos que estavam sendo licitados. “Tudo era falsificado. Você vê que os documentos das empresas eram cópias que eles obtiveram possivelmente em outras licitações de outros órgãos, e todas as declarações, a participação, onde se fazia necessária a assinatura do representante da empresa, a assinatura foi falsificada. E outras vezes, existia a assinatura de pessoas que não eram ligadas à empresa”, explica Nelson Medrado, procurador da Justiça.

Fraude milionária
As fraudes aconteceram entre 2007 e 2009. Em três anos, segundo as investigações, R$ 694.505, 16 foram pagos ilegalmente pela Alepa. Atualizado, o valor chega a R$ 870.930,30.

Na época, Domingos Juvenil, prefeito de Altamira, era o presidente da Alepa. Ele é alvo da ação por ter deixado de atuar em prol dos interesses públicos e autorizado pagamentos de valores decorrentes de licitações irregulares. Juvenil e mais 14 pessoas que integravam a comissão de licitação e controle interno da Alepa foram denunciados à Justiça. Entre elas, a deputada estadual Cilene Couto, que presidia o controle interno da Alepa; e Miriquinho Batista, ex-primeiro secretário da casa.

As investigações revelaram que o saque as cofres públicos é consequência de falta de controle e fiscalização por parte de quem deveria zelar pela legalidade dos contratos firmados pela Alepa. O MPE pede a indisponibilidade dos bens dos denunciados e o afastamento do cargo público.

A assessoria de Domingos Juvenil informou que ele ainda não foi notificado sobre a ação. A deputada estadual Cilene Couto disse estar ciente das denúncias, mas negou as acusações. Aassessoria do deputado federal Miriquinho Batista informou que não vai se pronunciar sobre o assunto.

G1 PA

Bloqueiam à BR-230, continua. Pescadores afirmam que o início das obras tem prejudicado a atividade pesqueira.

A Rodovia Transamazônica BR-230 continua interditada nos acessos aos canteiros de obras de Belo Monte e à Cidade de Vitória do Xingu na saída de Altamira, no sudoeste do Pará. Na manifestação estão representantes de colônias de pescadores dos municípios de Porto de MozGurupáSenador José Porfírio e Vitória do Xingu e interditam a BR-230 desde as 21:00 horas da noite de ontem e prometem permanecer em protesto até serem ouvidos por autoridades responsáveis pela obra e terem a garantias de que os acordos das condicionantes serão de fato cumpridos pelo consórcio. Segundo eles, o empreendimento está prejudicando a atividade pesqueira na região do Xingu e desrespeitando os direitos dos pescadores.
Segundo o pescador, identificado por “Decica”, informou através de um programa de Rádio que a partir da tarde não será permitido mais nem a passagem de moto, e desta forma eles buscam impedir a saída dos ônibus com operários que trabalham no canteiro de obras de Belo Monte e a passagem dos mesmos em outros veículos. “Eles (os funcionários) estavam tirando os uniformes e passando em motos e outros veículos, mas agora o cerco foi fechado e nem moto está passando” – Informou ele.
Os manifestantes alegam que estão sendo prejudicados com o início da construção da hidrelétrica porque a construção tem deixado os peixes cada vez mais escassos nos rios. Eles cobram uma indenização por parte da empresa responsável pela obra.
Manifestante também bloquearam, na tarde desta quarta-feira, a saída de Altamira para Brasil Novo na altura do KM 04 da BR-230 como mostra a foto de Sandra Hubner.
A assessoria da Norte Energia, responsável pela obra, informou que a empresa já tomou conhecimento da situação, mas ainda não foi procurada pelos manifestantes para debater a pauta de reivindicações.


Por: Valdemídio Silva
Foto: Sandra Hubner
Vídeo: Irene Silva (Via Facebook) 

Norte Energia Nota à Imprensa

A Norte Energia, responsável pela construção e operação da Usina Hidrelétrica Belo Monte, informa que as atividades nas obras da Usina estão em pleno funcionamento. A continuidade das obras está de acordo com a decisão proferida pelo presidente do TRF 1ª Região, Mário Cesar Ribeiro.


O presidente do TRF 1ª Região afirma que “a decisão proferida, monocraticamente, pelo Desembargador Sousa Prudente, não tem, o condão de, sob pena de usurpação de competência da Corte Especial, afastar os efeitos proferidos nos autos da Suspensão de Liminar ou Antecipação de Tutela, que permanece intangível até que ocorra o trânsito em julgado da Ação Cível Pública, uma vez que o agravo regimental interposto contra a decisão do então presidente Desembargador Federal Olindo Menezes não foi conhecido, porquanto interposto intempestivamente”.

Assessoria de Imprensa - Norte Energia

Pescadores protestam contra obras da usina de Belo Monte no Pará

Manifestantes bloqueiam a BR-230, no sudoeste do estado. Eles reclamam que peixes ficaram escassos após o início das obras.


Pescadores dos municípios de Porto de MozGurupáSenador José Porfírio eVitória do Xingu bloqueiam desde a noite da última terça-feira (29) a BR-230, na saída de Altamira, no sudoeste do Pará. Eles tentam impedir a saída dos ônibus com operários que trabalham no canteiro de obras de Belo Monte.
Os manifestantes dizem que foram prejudicados com o início da construção da hidrelétrica porque os peixes estão mais escassos nos rios. Eles querem indenização da empresa responsável pela obra.
A assessoria da Norte Energia, responsável pela obra, informou que a empresa já tomou conhecimento da situação, mas ainda não foi procurada pelos manifestantes para debater a pauta de reivindicações.
Fonte: G1/PA

Presidente do TRF-1 autoriza retomada das obras de Belo Monte

Desembargador Mário Cesar Ribeiro suspendeu efeitos de decisão liminar. Para o magistrado, somente Corte Especial poderia ter dado nova liminar.


Infográfico sítio Belo Monte (Foto: Infográfico elaborado em 9.05.2013)
O presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), desembargador Mário Cesar Ribeiro, suspendeu nesta terça-feira (29) os efeitos da decisão liminar (provisória) da própria corte que, na última sexta (25), havia determinado a interrupção imediata do licenciamento ambiental e das obras de execução da usina hidrelétrica de Belo Monte, em Vitória do Xingu, no Pará.
Relator do processo, o desembargador federal Souza Prudente havia acolhido o pedido doMinistério Público Federal (MPF) para que o empreendimento fosse interrompido até que se cumprissem as determinações previstas na licença prévia.
Diante da proibição de dar andamento às obras e à retirada da vegetação, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) recorreu à presidência do Tribunal Regional Federal da 1ª Região para tentar cassar a liminar de Souza Prudente.
Em seu despacho, o presidente do TRF-1 destacou que seu antecessor na presidência do tribunal já havia suspendido liminar concedida pela Justiça Federal do Pará que cassou temporariamente o licenciamento ambiental da usina hidrelétrica.
Em razão desta decisão anterior, destacou Ribeiro, enquanto não ocorrer o trânsito em julgado (decisão definitiva) do processo, somente a Corte Especial do TRF-1, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou o Supremo Tribunal Federal (STF) poderiam ter concedido nova liminar para suspender as atividades do empreendimento energético do Pará.
"Assim sendo, a decisão proferida, monocraticamente, pelo relator da ação cível não tem, data venia, o condão de, sob pena de usurpação de competência da Corte Especial, afastar os efeitos da decisão proferida nos autos da Suspensão de Liminar ou de Antecipação de Tutela, que permanece higida e intangível até que ocorra o trânsito em julgado na ação civil pública", escreveu Mário Cesar Ribeiro.
Em nota divulgada nesta quarta, a empresa Norte Energia, responsável pelas operação da hidrelétrica, informou ter retomado as atividades do empreendimento em Vitória do Xingu.
"A Norte Energia, responsável pela construção e operçaão da Usina Hidrelétrica Belo Monte, informa que as atividades nas obras da Usina estão em pleno funcionamento. A continuidade das obras está de acordo com a decisão proferida pelo presidente do TRF 1ª Região, Mário Cesar Ribeiro", informou a companhia.
Batalha judicial
O empreendimento hidrelétrico de Belo Monte já havia sido paralisado no ano passado por ordem da Justiça. Em agosto de 2012, o próprio TRF-1 determinou a suspensão das obras a pedido do Ministério Público Federal. No entanto, duas semanas depois, o então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto concedeu liminar autorizando a retomada das obras.

Em julho deste ano, a Justiça Federal do Pará negou pedido de liminar do Conselho Indigenistas Missionário que pretendia interromper as obras da hidrelétrica. A entidade alegava que projetos de geração de energia dentro de terras indígenas deveriam ser executados somente depois da elaboração de leis específicas sobre o assunto.
À época, o juiz Marcelo Honorato negou a liminar com o justificativa de que a paralisação da obra "atentaria" contra a ordem e a economia do país. Além disso, o magistrado considerou que os procedimentos para o licenciamento ambiental estavam corretos.
Obra polêmica
A usina hidrelétrica de Belo Monte está sendo construída no rio Xingu, no Pará. Segundo a Norte Energia, o custo total do empreendimento é R$ 25,8 bilhões.O projeto sofre oposição de ambientalistas, que consideram que os impactos para o meio ambiente e para as comunidades tradicionais da região, como indígenas e ribeirinhos, serão irreversíveis.

A obra também enfrenta oposição do Ministério Público Federal, que alega que as compensações às comunidades atingidas pela hidrelétrica não estão sendo feitas da forma devida. Para os procuradores da República, Belo Monte pode gerar um problema social na região do Xingu.

Por: Filipe Matoso
Fonte: G1/PA

À espera de um milagre

Quadrilhas de pastores ladrões, dívidas milionárias com as tevês, administração amadora e investimentos equivocados na construção de grandiosos templos. O que está por trás da crise financeira da Mundial, uma das mais poderosas igrejas evangélicas do País

Por:Rodrigo Cardoso
Confira compilação com cenas do apóstolo Valdemiro Santiago e outros líderes da igreja pedindo contribuições aos seguidores:
IstoE_PastorWaldemiro_255.jpg
 
Chorar durante a pregação é um dos traços mais marcantes da performance de Valdemiro Santiago de Oliveira, o todo-poderoso da Igreja Mundial do Poder de Deus (IMPD), no púlpito. Criticado por abusar dessa prática, o autointitulado apóstolo tem motivos mais terrenos para derramar suas lágrimas atualmente. O império neopentecostal construído por esse mineiro de 49 anos, nascido em Cisneiros, distrito de Palma, a 400 quilômetros de Belo Horizonte, vive a maior crise da sua história. O mais recente indício de que a IMPD está fragilizada foi a decisão do Grupo Bandeirantes de encerrar, na semana passada, a parceria que mantinha com Valdemiro, que alugava quase a totalidade da grade da programação do Canal 21 e ocupava cerca de quatro horas diárias nas madrugadas da Band. Motivo do fim do acordo: atrasos no pagamento.
ABRE_Pastor.jpg
PASTOR
Valdemiro Santiago criou um império religioso, viu seu rebanho se
expandir por cerca de cinco mil templos e, agora, tenta colocar a
casa em ordem ao ver sua igreja sangrar em milhões de reais
Valdemiro até que tentou impedir o fato. De microfone em punho, o comedor de angu que cuidava de marrecos na roça antes de se converter evangélico usou toda a sua empatia com o povão. No início do mês, pôs o rosto no vídeo, caprichou na voz chorosa e iniciou uma campanha conclamando seus fiéis a ajudá-lo a arrecadar R$ 21 milhões para honrar compromissos com o aluguel de horários na mídia. A Mundial já devia R$ 8 milhões ao Grupo Bandeirantes referentes a setembro. No fim deste mês, outro boleto a vencer: R$ 13 milhões. A emissora paulista não confirma oficialmente, mas a Igreja Universal do Reino de Deus, de Edir Macedo, concorrente direta da Mundial, teria entrado na disputa por esses horários e conseguido vencer a briga sobre a maior concorrente na disputa por almas. “Pegaram a gente em um momento de fraqueza”, diz uma liderança da IMPD. “Gastamos R$ 300 milhões com templos ultimamente e vivemos um tempo de estruturação e amadurecimento.”
PASTOR-01-IE.jpg
PODER
Diante da crise, Valdemiro nomeou Jorge Pinheiro (acima), marido da irmã
de sua esposa, para gerir o setor financeiro e administrativo da IMPD no
lugar do bispo Josivaldo (abaixo), transferido para Lisboa
PASTOR-2-IE.jpg
"Cerca de 30% dos recursos que arrecadamos são desviados
por bispos e pastores. Por mês, R$ 30 milhões saem pelo ralo"
,
afirma um alto dirigente da IMPD do Rio de Janeiro
Quisera Valdemiro Santiago, porém, que seus problemas fossem revezes restritos apenas ao campo administrativo da sua igreja. Em São Paulo, o líder evangélico é alvo de uma investigação do Ministério Público estadual e da Polícia Civil. Desde janeiro de 2013, diligências feitas pelo Grupo Especial de Delitos Econômicos (Gedec) e pela Divisão de Investigações sobre Crimes contra a Fazenda, da Polícia Civil, apuram um suposto crime de lavagem de dinheiro e ocultação de bens, direitos ou valores. O dono da Mundial virou alvo das autoridades quando elas descobriram que a Fazenda Santo Antonio do Itiquira, localizada em Santo Antônio do Leverger (MT), um conglomerado de 10.174 hectares de terras ocupado por milhares de cabeças de gado, foi comprado por R$ 29 milhões à vista pela empresa W. S. Music, cujos representantes são o apóstolo e sua mulher, a bispa Franciléia. O caso, que pode configurar uso do dinheiro de fiéis para enriquecimento pessoal, corre em sigilo.
01.jpg
A Mundial, fundada em 1998 – antes dela, Valdemiro fora pastor na Igreja Universal por 18 anos (leia quadro) –, viveu um avanço muito grande em um curto espaço de tempo. De 500 templos em 2009, hoje a denominação computa mais de cinco mil unidades, segundo seus membros. Acontece que a vida de uma igreja não se resume ao púlpito ou aos cultos. Administrativa e financeiramente falando, a IMPD não evoluiu. “Cerca de 30% dos recursos que arrecadamos são desviados. Por mês, R$ 30 milhões saem pelo ralo”, afirma um alto dirigente da denominação, lotado no Rio de Janeiro. De acordo com ele, a devoção em torno dos cultos, espécie de pronto-socorro espiritual, onde fiéis garantem ter alcançado a cura divina para alguma enfermidade graças à intercessão de Valdemiro, trouxe notoriedade à igreja e atraiu quadrilhas de pastores que se infiltraram em seus templos para se apropriar das doações. “Há dois anos e meio, por exemplo, o Valdemiro descobriu uma dessas quadrilhas no ABC paulista liderada pelo bispo e por seus auxiliares e os expulsou.”
PASTOR-03-IE-2293.jpg
PREGAÇÃO
Com fama de milagreiro, Valdemiro fez fama ao se aproximar
dos mais humildes. Abaixo, sua esposa, a bispa Franciléia
PASTOR-04-IE-2293.jpg
Esse mesmo dirigente lembra do dia em que, ao manobrar seu carro na saída de um culto, uma fiel bateu no vidro para alertar que pessoas traíam a confiança do líder evangélico: “Pastor, está vendo esse carnê da Mundial? A conta corrente aqui escrita não é a da igreja. Estão distribuindo carnês falsos para o povo pagar! Avisa o apóstolo, por favor!” Ou seja, o dinheiro estava sendo desviado num esquema paralelo ao de Valdemiro. Professor da pós-graduação de Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Ricardo Bitun se deparou com essa prática ao ir a campo para a confecção de sua tese de doutorado. Intitulado “Igreja Mundial do Poder de Deus: Continuidades e Descontinuidades no Neopentecostalismo Brasileiro”, o estudo defende que Valdemiro foi o único dissidente da Universal que conseguiu alcançar sucesso. E assim o fez graças, principalmente, à remasterização da cura divina, uma prática bastante difundida no Brasil nos anos 1970. “Um bispo me contou que havia pastores infiltrados em igrejas e até mesmo bispos cobrando propinas de pastores”, diz Bitun.
02.jpg
SUSPEITA
Uso do dinheiro de fiéis para enriquecimento pessoal, como a compra de uma
fazenda de R$ 29 milhões (à esq., o documento  de compra em seu nome),
é investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil de São Paulo
Valdemiro é um líder religioso onipresente no altar e nos programas televisivos e demorou a perceber que estava sendo traído por pessoas muito próximas a ele – e do alto escalão da igreja. Havia um grupo próximo a Josivaldo Batista de Souza, que era considerado o número 2 da Mundial, agindo como lobos em pele de cordeiro. “Ele se deu conta de que o problema advinha da concentração de poder em torno dessa turma”, diz um membro da hierarquia paulista da Mundial. “Era gente pedindo avião para fazer não sei o quê, para ter programa na televisão não sei onde, para abrir igreja em um grotão aí...” Segundo esse integrante da IMPD, Valdemiro cometeu erros próprios de líderes que sobem muito e rapidamente. “Ele se cercou de um estafe pequeno que blindava o acesso a ele. E, assim, passou a ouvir pouco outras opiniões. Precisa amadurecer.”
PASTOR-05-IE-2293.jpg
FLAGRA
Membros da Mundial chegaram a clonar carnês para desviar
o dinheiro que era arrecadado dos fiéis nos cultos
Diante das dívidas, dos calotes e das traições, o líder da IMPD está tentando conter a sangria da sua igreja do jeito que pode. Transferiu para Lisboa o pastor Josivaldo, um ex-membro da Universal que o acompanha desde o começo dos trabalhos da denominação em Pernambuco, segundo Estado onde ele fincou sua bandeira. Para substituir Josivaldo, que era responsável pela gestão administrativa e financeira e cuidava do dia a dia da Mundial, além dos bispos e pastores, Valdemiro achou por bem recorrer a um familiar. Empossou o bispo Jorge Pinheiro, marido da irmã da sua esposa Franciléia. Para tentar se reequilibrar financeiramente, conta um bispo paulista, ele decidiu se desfazer de duas Cidades Mundiais, como são chamados os megatemplos da IMPD, em São Paulo e no Paraná. Elas se encontram fechadas pelos órgãos públicos locais, após pouco tempo de funcionamento, por não preencherem requisitos para receber o público. Um claro erro de avaliação que onerou a igreja. “A Cidade Mundial paulista está fechada desde fevereiro de 2012. Mas Valdemiro, todo mês, tem de pagar R$ 5 milhões das parcelas da compra dela”, diz o bispo. Missionário da IMPD, o deputado estadual Rodrigo Moraes (PSC-SP), que foi designado pela igreja para fazer “a coisa caminhar” junto aos órgãos públicos, segue na sua empreitada. “Não recebi o comando de parar o trabalho ainda. Mas a vontade do apóstolo é que fala mais alto”, afirma. Templos pequenos e mal localizados, que não condiziam com a orientação de Valdemiro, também deixaram de ser usados. “Cerca de 15% deles tiveram de ser fechados ou reestruturados”, diz uma liderança da igreja. Pode ser uma saída para que a fama de caloteiro não suplante a de apóstolo milagreiro.
PASTOR-07-IE-2293.jpg
NA JUSTIÇA
Faz três meses que a Mundial não paga o aluguel do imóvel (acima),
localizado em Pirituba (SP): ação de despejo e cobrança de R$ 34 mil.
À esq., Cidade Mundial em São Paulo, que será fechada
PASTOR-06-IE.jpg
Não são poucos os templos ocupados pela IMPD que têm problemas com aluguel atrasado ou ações de despejo em curso na Justiça. Em Pirituba, por exemplo, bairro da capital paulista, o proprietário impetrou na justiça uma ação de despejo contra a igreja por não receber o aluguel de seu imóvel desde julho. E cobra, ainda, o pagamento de R$ 34.538,64. De acordo com um de seus representantes legais, essa é terceira vez que a justiça é acionada desde 2010, quando o local passou a ser ocupado pela Mundial. “Não entendo a falta de organização da igreja. Não acredito que ela não tenha caixa para pagar o aluguel”, diz ele, que prefere não se identificar. “Esses problemas diminuíram 70% nos últimos tempos”, garante Dênis Munhoz, advogado da Mundial. À frente também do cargo de vice-presidente da Mundial, Munhoz refuta a ideia de a denominação viver uma crise, argumentando que a IMPD é a evangélica que mais cresce no Brasil. Sobre as quadrilhas de pastores, afirma: “Se existe esse problema, a igreja sempre tomou as providências rapidamente.” Prefere, no entanto, não comentar a perda dos espaços no Canal 21 e na Band. Quem falou sobre o assunto foi o presidente da IMPD, o deputado federal José Olímpio (PP-SP). “Estamos pagando muitas prestações, os valores de aluguéis aumentaram, temos muitas obras em andamento e acabou atrasando alguma coisa. Aí, deixa de pagar um mês e vira um problema para a mensalidade seguinte”, diz.
03.jpg
Para se ver livre de mais problemas, Valdemiro, que, procurado por ISTOÉ, não se manifestou, entregou os horários que possuía na Rede TV! e na CNT. Deixou também de alugar espaço em dezenas de retransmissoras de diferentes estados e recuou no projeto de ocupar a programação de tevês da Argentina, Colômbia e do México. “Muitas vezes, é melhor dar um passo atrás para, depois, dar um maior à frente”, diz o alto dirigente da Mundial do Rio. “Valdemiro me disse que estava, inclusive, vendendo a sua fazenda no Mato Grosso.” Essa informação não foi confirmada pelo presidente nem pelo vice-presidente da IMPD. Mas, na atual situação, receber R$ 33 milhões, valor estimado da Fazenda Santo Antonio do Itiqui