sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Professora de ensino fundamental foi presa por de tráfico de drogas em Altamira

A PROFESSORA MONTARIA UMA BOCA DE FUMO EM TRIBO INDÍGENA, DIZ POLÍCIA

inda de Uberlândia, professora foi detida em
Altamira. (Foto: TV Liberal)
Uma professora de ensino fundamental foi presa nesta quinta-feira (27) suspeita de tráfico de drogas emAltamira, sudoeste do Pará. Com ela, foram apreendidos quatro quilos de maconha, uma arma de fogo calibre 32 e munição. De acordo com a polícia, a suspeita pretendia abrir um ponto de tráfico em uma comunidade indígena assurini, às margens do rio Xingu. Ela nega envolvimento com o crime.  “Ela alugou uma casa na comunidade e estava fazendo a mudança para lá quando demos o flagrante. Acho que ela pretendia mudar de ramo, mas se deu mal”, diz o delegado Lindoval Ferreira Borges. A prisão ocorreu após denúncia anônima.

Quatro quilos de maconha, celulares e um caderno com
uma lista de nomes foram apreendidos.(Foto: TV Liberal)
A mulher, de 43 anos, é de Urberlândia (MG). Ela foi presa junto com o motorista que dirigia o caminhão com a mudança, e ele também negou participação no tráfico de drogas. Em meio aos objetos da casa que estavam no veículo, foram encontrados ainda um balança de precisão, papéis para embalar a droga e um caderno com uma lista de nomes de possíveis clientes. Um quilo de haxixe que estava sendo utilizado para disfarçar o cheiro da droga também foi apreendido.
Segundo a polícia, a professora teria dito que a droga havia sido plantada, e que  não viu quem teria colocado a droga, a arma de fogo e os demais materiais no meio de seus pertences, que estavam em cima do caminhão na hora da mudança.
Ainda de acordo com os policiais, tanto o motorista do caminhão quando a professora foram indiciados por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo, e podem ser condenados a 18 anos de cadeia.
g1 Pará

ACIDENTE NA BR 230 DEIXA VARIAS PESSOAS GRAVEMENTE FERIDAS

O acidente aconteceu por volta das 2:00 da manhã na madrugada desta sexta-feira com o ônibus da empresa transbrasiliana que saiu da cidade de Marabá, com destino a capital Belém, próximo ao município de Tailândia no km 58 da rodovia br 230, segundo informações o motorista perdeu o controle do veiculo que veio a capotar, o ônibus  caiu em uma lagoa, todo o trabalho de resgate foi feito pelos homens do 9 grupamento bombeiro militar de Altamira, o estado de algumas vitimas é grave, segundo informações não confirmadas pelas autoridades, uma mulher e três crianças morreram afogados, o numero de óbitos pode aumentar,  os passageiros foram encaminhados para a unidade de saúde na cidade de Tailândia. 




ENCECADEIRA DE BELO MONTE POR POUCO NÃO VIROU TRAGÉDIA

“Trabalhadores saíram correndo, e muita gente ainda se molhou com o vazamento inesperado” Diz um trabalhador que prefere não se identificar publicamente.

IMG-20140227-WA0013

Na manhã desta quinta-feira, trabalhadores do sítio Pimental, tiveram que parar as atividades local conhecido por “VERTEDOURO” a informação era de que a água do rio estava invadindo o local, trabalhadores relataram à nossa redação que ouviram um barulho e depois começou a aparecer água entre as máquinas, todos foram retirados as presas do local para evitar mortes, a força da água invadiu várias casas de apoio para maquinários e operários.
As fotos mostram máquinas trabalhando na crista da barragem próximo ao rio (como mostra imagem acima), evitando que a água entrasse para o canteiro de obras, vários profissionais foram acionados para conter o vazamento, toneladas de barro foram usadas e caçambas foram deslocadas para o ponto de vazamento.


O colapso aconteceu nas primeiras horas da manhã e não atingiu uma quantidade maior de operários, por que estavam na troca de turno muitos ainda iriam para os pontos de trabalho na obra da encecadeira.
Apesar das imagens e vários relatos de trabalhadores, a Norte Energia, empresa responsável pela Obra no Pará, emitiu nota dizendo apenas que uma bomba de sucção da água da chuva teria parado para fazer manutenção, o que ocasionou a elevação da água dentro da encecadeira por apenas 20 cm.
Na verdade a assessoria da empresa prestou informações “não verdadeira” a nossa redação, pois o que se viu e se vê nas imagens provam exatamente o contrário, que o caso é mais sério do que se pensa e requer atenção extrema das equipes de segurança no trabalho.






Por: Felype Adms.
Fonte:http://www.altamirahoje.net/

SERVIÇOS:
SEGUE NOTA NA ÍNTEGRA:

Nota à imprensa

Na madrugada desta quinta-feira (27/02) foi realizado o serviço de manutenção preventiva do sistema de bombeamento de água de chuva do Sítio Pimental.  Durante o trabalho, o nível da água subiu 20 centímetros. A situação já está normalizada.  Todas as frentes de trabalho do sítio Pimental estão funcionando normalmente.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

MEDICILÂNDIA: Promotoria realiza o primeiro de três júris em crime motivado por vingança

A promotora de Justiça titular da Promotoria de Dom Eliseu, Magdalena Torres Teixeira atuou hoje (26) no Tribunal do Júri no julgamento do réu Adriano Ferreira da Silva que foi condenado a 8 anos em regime inicialmente fechado, por matar Amilton Padilha Hofmamnn, em 2011 no município de Medicilândia. O crime foi motivado porque a vítima teria matado o irmão de Adailton. Esse é o primeiro de três júris no município.

Atuaram no julgamento a juíza substituta Ana Priscila da Cruz, o Defensor Público de Brasil Novo, designado para fazer os três júris Marcelo Della Corte Leite e Magdalena Torres Teixeira, promotora titular de Dom Eliseu que foi designada para realizar também os três júris.

Na execução do crime, Adriano da Silva teve a ajuda de Adailton Bispo Santana e José Armando Soares Bispo. Os três estão foragidos, mas José Armando foi o único a prestar depoimento em fase de diligência e instrução.

Decisão – Os jurados e o Ministério Público acataram a tese, de forma quase unânime, da condenação do réu Adriano Ferreira da Silva em homicídio qualificado por motivo torpe, motivado por paga ou promessa de recompensa.
Vingança – O crime aconteceu em 9 de novembro de 2011 na rodovia Transamazônica, altura do KM 70 em Medicilândia. Amilton voltava para casa com sua filha e companheira em uma motocicleta Bros quando Adailton Santana realizou seis disparos, levando a vítima a óbito. Adriano da Silva dirigia um Ford KA e José Armando foi quem auxiliou os parceiros.

Com informações do http://www.mppa.mp.br/
Texto: Fernanda Palheta (Graduanda em Jornalismo)
Revisão: Edson Gillet (Assessoria de Imprensa)
Foto: PJ de Medicilândia 

Mãe degola filho recém-nascido por medo do marido no Amazonas


O caso foi denunciado à Polícia Militar pela tia da suspeita, que achou o corpo da criança enterrado no quintal da casa.




A dona de casa Geliane Pereira da Silva, 18 anos, foi presa na tarde desta terça-feira em uma área rural do município de Iranduba, na região metropolitana de Manaus, suspeita de ter degolado o filho de 8 dias de vida e enterrado o corpo no quintal da casa onde morava. Segundo a polícia, a suspeita cometeu o crime por medo do marido, que dizia que, se ela estivesse grávida, o filho não era dele.

O caso foi denunciado à Polícia Militar pela tia da suspeita, que achou o corpo. "Nós estranhamos ela dizer que, com todo aquele barrigão, não estava grávida, mas sim com um cisto. Foi aí que eu tive um sonho, onde uma voz me mandava cavar no pé do jambeiro, que fica nos fundos da casa dela. Logo que eu cavei, senti o fedor de coisa podre", contou a dona de casa Raimunda Bahia, 48 anos.

Quando a PM chegou na residência, localizada no Morro da Paz, na comunidade Ariauzinho, no quilômetro 31 da rodovia estadual AM-070, a mulher detalhou o crime."Ela nos disse que assim que a crianca nasceu, cortou o pescoço dela e colocou o corpo dentro de um saco e enterrou junto a uma caixa de sapatos nos fundos da casa. Ela disse que fez isso por medo do marido", relatou o tenente Helyelton Martins, da 8ª CIPM.


O corpo do recém-nascido foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) em Manaus, e a mãe da criança foi encaminhada para a 31ª Delegacia de Polícia em Iranduba. Antes de seguir para Manaus, onde faria o exame de corpo de delito, Geliane falou com o Terra de dentro da viatura. "Fiz isso porque meu marido dizia que, se eu estivesse grávida, o filho não era dele. Tive medo de ele me matar", afirmou, com poucas lágrimas escorrendo pelo rosto. Perguntada se sente arrependimento pelo que fez, a suspeita se calou. Geliane garantiu que o filho era do marido.

Fonte: Portal Terra

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Ação pede R$ 1 milhão a famílias atingidas pela UHE Belo Monte.



A defensora pública de Altamira, Andréa Barreto, protocolou Ação de Indenização por Danos Extrapatrimoniais ou Morais, requerendo o pagamento de R$ 1 milhão a 10 famílias que moravam na agrovila Santo Antônio, em Vitória do Xingu, e que estão sem casa em função das obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A ação pede ainda prioridade, porque um dos assistidos da ação, Amadeu Fiok Alcoforado, tem mais de 75 anos.

De acordo com Andéa Barreto, cada família teria direito a R$ 100 mil a título de indenização, pois “aguardam a construção do reassentamento coletivo desde o ano de 2011”. O consórcio responsável pela obra, Norte Energia, até a presente data, não construiu o reassentamento prometido.

A defensora informou, ainda, que as 10 famílias ficaram “expostas a uma série de constrangimentos e impactos socioambientais da obra”, convivendo em meio a detonações de explosivos na área, tráfego de veículos pesados, ameaça de construção de estrada dentro da agrovila Santo Antônio, e que na própria vila foi instalado um dos canteiros da hidrelétrica.

Em 2012, segundo a defensora, houve um acordo judicial para a remoção das famílias da área de impacto, com o comprometimento pela empresa Norte Energia de que seria pago o aluguel das casas para essas famílias. O problema, narrado na inicial pela Defensoria de Altamira, é que “as famílias passaram a conviver com inúmeros constrangimentos decorrentes das negociações para a construção do reassentamento e resistência da empresa em construir o reassentamento nos padrões estabelecidos no Projeto Básico Ambiental”, conhecido como PBA.

O pedido de indenização é baseado nos termos que prevê o Projeto Básico Ambiental, Vol. II (p. 127-131) da UHE Belo Monte, mais o art. 14, § 1º, da Lei 6.893/1981; o art. 5º incisos V, X e art. 216 da Constituição Federal, a Recomendação Geral nº 7, do Comitê Geral da ONU; o art. 17, item 2, do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos e 3º Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3 (Decreto 7.037/2009), por comprovado dano ambiental da obra (explosões, tráfego de veículos pesados etc.) e por ter causado todo o constrangimento enquanto essas 10 famílias aguardam a construção do reassentamento coletivo.

Andréa Barreto destaca ainda na inicial, que as obras de Belo Monte provocaram “o deslocamento compulsório dos autores da ação, sem reparação da perda do bem afetivo”, pois houve o rompimento das relações de vizinhança e o acesso ao rio Xingu, além da perda da relação com a própria terra, já que essas pessoas viviam há décadas no local.

Os autores moravam e também trabalhavam na agrovila Santo Antônio, que é uma comunidade rural localizada em uma faixa de terra no km 50 da rodovia Transamazônica (BR 230) e na margem do Rio Xingu, em Vitória do Xingu.

A comunidade foi formada ainda na década de 1970, antes mesmo da abertura da rodovia Transamazônica. Amadeu Alcoforado e Helena Benjó, que são autores da ação, foram uns dos primeiros moradores da área e ajudaram a construir os espaços comuns da vila, como campo de futebol, cemitério e igreja. “Essas famílias guardam parte da história e da memória daquela que foi uma comunidade tradicional formada por agricultores e pescadores profissionais, a maioria integrante da colônia de pescadores da Z-12”, revelou a defensora.

AP

4 presos e 4 apreendidos em operação da Polícia de Uruará nesta terça-feira

4 presos e 4 apreendidos em operação da Polícia de Uruará nesta terça-feira
 Jeferson Almeida, Kenedy Furtado de Moura, Elizeu Santos, Irton Soares
Uma operação policial de combate a roubo de motocicletas e celulares deflagrada na cidade de Uruará nesta terça-feira, 25, obteve êxito ao prender 4 suspeitos e apreender 4 adolescentes. Todos são suspeitos de roubos e furtos de motocicletas e celulares. A operação policial contou com a participação da polícia militar, soldado PM Caxiado, cabo PM Augusto, sargento PM Ivaldo, equipe da Rotam, sob o comando do major Márcio Abud e da polícia civil de Uruará, investigador Eládio, investigador Tadeu, sob o comando do delegado Godofredo Borges.
Foram presos Irton Soares, 20 anos, Elizeu Santos, 20 anos, Kenedy Furtado de Moura, 18 anos, e Jeferson Almeida, 18 anos, e foram apreendidos os adolescentes F.C.F., 16 anos, PHSG, 17 anos e M.D.P.S., 15 anos, estavam todos no interior de uma residência do Bairro Vila Bonita, extremo leste da cidade de Uruará.
 Menor, M.S.O
Outro menor, M.S.O, 16 anos, foi apreendido em outro pondo do mesmo Bairro. Todos eles foram levados para a delegacia de polícia civil de Uruará e apresentados ao delegado Godofredo Borges para serem submetidos aos procedimentos cabíveis.
Os quatro adultos presos negaram o envolvimento com o roubo de motocicletas, assim como os adolescentes apreendidos.
Na operação os policiais apreenderam também duas motocicletas, sendo que uma delas já foi identificada como roubada e a proprietária já foi localizada, e seis celulares.
De acordo com a polícia outros dois elementos que conseguiram fugir ainda são procurados, eles seriam os fornecedores de armas para o bando agir.
Por: Joabe Reis

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

HOMEM É PRESO EM BRASIL NOVO APÓS ASSALTO EM ALTAMIRA

“Nosso trabalho é devolver a paz a sociedade, e custe o que custar, estaremos nas ruas para atuar em favor do cidadão de bem” Finalizou CB Gonçalves.
Na noite desta quarta-feira, 19, um rapaz e outro adolescente entraram em uma auto escola no Bairro Explanada do Xingu, e roubaram joias do dono do estabelecimento, o maior de idade estava armado e não tirou o capacete durante o crime. Políticias da ROTAM iniciaram uma operação....
Para Matéria Completa, clique em Mais Informações...

minuciosa que consegui prender Anderson Rodrigues e apreender dois adolescentes.
“A polícia militar foi eficaz nesse trabalho, chegamos rapidamente aos principais acusados pelo ato na auto escola, recuperamos os cordões e pulseira de ouro, bem como apreendemos a motocicleta e o maior de idade”Disse o CB Gonçalves da ROTAM.
O Anderson Rodrigues, procurou atendimento médico em Brasil Novo, onde terminou sendo preso após os curativos, os adolescentes um estava no hospital baleado e outro foi apreendido quando tentava conduzir Anderson.

A polícia militar contou com a ajuda de câmeras de segurança da Auto Escola para prender Anderson, que vai responder por assalto a mão armada, ameaça e corrupção de menores.
“Nosso trabalho é devolver a paz a sociedade, e custe o que custar, estaremos nas ruas para atuar em favor do cidadão de bem” Finalizou CB Gonçalves.



Por: Felype Adms (com informações de Marcos Alves).

HOMEM É ASSASSINADO A TIROS NO BAIRRO DE BRASÍLIA EM ALTAMIRA

A vítima já tinha várias passagens pela polícia altamirense.

Em Altamira, Oeste do Pará um homem conhecido pela polícia como “Belisca Lua”, foi alveja com 10 tiros por uma pessoa ainda não identificada, o crime aconteceu por volta das 11:30h da manhã e assustou moradores da Rua Presidente Médici na Grande Brasília um dos maiores bairros de Altamira.
Segundo informações da polícia, o rapaz estava portando drogas e teria acabado de comprar os entorpecentes, possivelmente o crime trata-se de acerto de contas, a vítima já havia sido detida por várias vezes pelo consumo de drogas, em algumas prisões teria “entregado” traficantes na cidade o que resultou no acerto trágico.
O IML fez a remoção do corpo para perícias no CPC Renato Chaves, em 10 dias um lauda deve apontar as condições em que o rapaz foi assassinado, o documento deve ajudar a polícia civil na elucidação do homicídio, o caso já está sob investigação.

Por: Felype Adms
Fonte:http://www.altamirahoje.net/

Falso corregedor é preso em Altamira

Na última sexta-feira, 21/02, investigadores da Polícia Civil de Altamira, prenderam Pedro Raphael de Castro Ribeiro, 38 anos, natural de Belém, suspeito de estelionato. A polícia chegou até o criminoso depois de denúncias feitas pelas vítimas.
De acordo com as informações da polícia, o acusado se passava por corregedor e procurador do Departamento de Trânsito do Estado do Pará, Detran. De posse de documentos falsos, o acusado forjava denúncias e aplicava golpes na população da região.
Com o acusado a polícia encontrou um computador portátil, pen drives, cartão de memoria e uma diversidade de documentos do Detran, além de um decreto falsificado da Presidenta Dilma Rousseff, que o nomeava Agente Federal em Altamira com plenos poderes junto ao Detran.
Pedro Raphael está preso à disposição da justiça.
OXingu.com *Com informações de Luci Costa

Moradores exigem melhorias urgentes em bairros atingidos por enxurrada em Altamira.

Foto: Ronaldo Santos – WD Notícias
Moradores do bairro Mutirão, acompanhados de estudantes e professores da Universidade Estadual do Pará – UEPA, se mobilizam e saíram com faixas e cartazes pelas principais ruas de Altamira, sudoeste do Pará, nesta segunda-feira (24-02). Eles reivindicam que a prefeitura faça melhorias urgentes no bairro, que foi um dos mais atingido pela enxurrada que invadiu dezenas de casas, por causa das fortes chuvas que caíram nos últimos dias na cidade.
Os moradores disseram que a mobilização é para chamar a atenção do Prefeito Domingos Juvenil (PMDB), para resolver a situação deles. Muitos afirmam que perderam tudo por causa da enxurrada. Crianças e adolescentes, que residem no bairro, não estão indo para escola por falta de material escolar e uniforme, que foram perdidos na enchente. “As crianças não estão indo para a escola porque não tem materiais. Nós estamos reivindicando o que nós perdemos. Perdemos roupas, comida, material escolar de nossas crianças”, desabafou o desabrigado Marcos Santos.
Foto: Ronaldo Santos – WD Notícias
A manifestação foi acompanhada pela Polícia Militar e acabou em frente à Prefeitura de Altamira, que estava cercada por guardas municipais para evitar que o prédio fosse invadido e danificado pelos manifestantes. Na ocasião, uma comissão de moradores foi recebida pelo secretário de Administração, Fabiano Bernardo, e pelo secretário de Obras, Pedro Barbosa. Os moradores entregaram uma pauta de reivindicações e disseram que se não forem atendidos de imediato, os protestos irão continuar nos próximos dias.Outro lado: Segundo a assessoria de comunicação a Prefeitura de Altamira está dando assistência e encaminhando para dois hotéis da cidade, as famílias que estão desabrigadas.
Entenda: Na semana passada os manifestantes, que contam com apoio dos movimentos sociais, chegaram a bloquear a Avenida Bom Jesus, principal via de acesso a universidade e ao bairro, por 24 horas com restos de móveis e eletrodomésticos que perderam durante a enchente. A tropa de choque da Polícia Militar usou bombas de efeito moral e balas de borracha para desobstruir a via pública. A ação militar revoltou os manifestantes que afirmaram que já tinham aceitado desocupar a rua. Eles também afirmam que até agora não receberam nenhum tipo de apoio por parte do poder público municipal.

Por: Wilson Soares – WD Notícias

MOTORISTAS SOFREM NA RODOVIA TRANSAMAZÔNICA, BR-230 E PASSAM ATÉ TRÊS DIAS PARA SAIR DE ATOLEIROS.

Congestionamento de veículos em atoleiro na comunidade Nazaré
Enquanto políticos pregam em seus discursos o desenvolvimento da Rodovia Transamazônica – BR-230, motoristas e passageiros vivem uma realidade diferente do que é falado nestes discursos. Prova disso é o que vem ocorrendo na BR nos últimos dias. Parte da estrada na região de Altamira, Pacajá, Brasil Novo e Marabá já foi asfaltada, mas nunca os trabalhos terminam o que acaba causando transtorno para quem precisa dela.
Motoristas passam até três dias nos atoleiros
Na semana passada, em dois trechos da estrada ficaram intrafegáveis, atoleiros localizados entre Bom Jardim e a Vila Nazaré, duas comunidades localizadas entre Pacajá e Anapú, no trecho entre Marabá e Altamira. Outro trecho da Rodovia entre
Passageiros tentam ajudar caminhoneiros a saírem do atoleiro
na tentativa de abrir passagem para o ônibus
Altamira e Uruará na altura do Km 105, a situação também é muito preocupante. Lá, motoristas e passageiros enfrentam sérios problemas para alcançarem seus destinos e muitos deles ficam até 3 dias à espera de uma oportunidade para cortarem a lama e seguirem o caminho traçado para a viajem. Tudo isso resulta de uma herança de mais de 40 anos de descaso pois desde que a BR-230 foi construída na década de 70, a rodovia nunca foi vista como prioridade pelos governos e todo esse transtorno tem sido causado pelas deficiências na infraestrutura que dificultam a trafegabilidade.
Atoleiro entre as comunidades Bom Jardim e Nazaré
As filas de veículos parados nos atoleiros, entre eles caminhões carregados de mercadorias perecíveis, alcançaram mais de um Km de extensão prejudicando os passageiros que precisam do transporte de ônibus para chegar à capital ou cidades próximas. Cargas perecíveis como frutas e verduras originadas dos Estados do Sul e Sudeste do país que abastecem os supermercados de Altamira e municípios vizinhos, acabam chegando ao destino final sem condições de consumo gerando prejuízos para os produtores, para os caminhoneiros, para os comerciantes e para o consumidor, pois boa parte dos produtos que chegam tem que ser jogados fora pela falta de condições de consumo e a outra parte acaba por ter seu valor alterado, chegando ao consumidor mais caro normal. 
As filas de Caminhões chegou a mais de 1 km de extensão
Proprietários de fazendas ás margens da Rodovia utilizam os tratores par puxarem os veículos nos atoleiros e cobram de R$ 30,00 a R$ 100,00 para isso. A rodovia Transamazônica começa no Nordeste, em Cabedelo no Estado da Paraíba e termina em Lábrea, no Amazonas.  Mas no estado do Pará, ela se transforma em uma imensidão de abandono e os problemas estão em quase toda parte.
Por: Valdemídio Silva
Fotos: Valdemídio Silva

Em protesto no centro da cidade de Uruará populares pescam em poças de água no meio da Avenida

Em protesto no centro da cidade de Uruará populares pescam em poças de água no meio da Avenida
Na tarde desta sexta-feira, 21, um protesto bem humorado chamou a atenção no centro da cidade de Uruará. Com tom de revolta o protesto pacífico teve como alvo a administração municipal. Além da condição de abandono em que se encontra a Avenida Central, onde ocorreu o protesto e existem várias poças d’água, que são grandes buracos formados no meio da Avenida cheios de água das chuvas, chamados "carinhosamente" pela população de lagoa, são verdadeiras armadilhas para acidentes.
Os manifestantes exigiam mais respeito do governo municipal com a população e cobravam mais ações em benefícios do povo. As principais reclamações dos manifestantes eram os buracos nas ruas, a redução salarial dos professores, a demissão do médico cirurgião que atendia no hospital municipal e as péssimas condições das estradas vicinais. Simulando uma pescaria, com direito a vara de pescar e peixe, os manifestantes passaram um longo período de tempo na beira de uma grande poça de lama. Vários cartazes foram pregados na cerca de um quintal ao lado da Avenida com dizeres de revolta.
O protesto chamou a atenção de muitas pessoas que passavam pela via e só foi encerrado no começo da noite. Esses buracos já atrapalham o trânsito na Avenida Central há quase um ano sem que nenhuma providência seja tomada. Com o aumento das águas das chuvas os buracos têm crescido bastante e com a continuidade do período chuvoso o trânsito poderá ser cortado no local que é bastante utilizado pela população para ter acesso ao centro comercial da cidade.
Resta agora esperar para ver se o protesto também chamou a atenção da administração municipal.
Por: Joabe Reis
Fonte: Sistema Regional de Comunicação

CENAS FORTES: 11 LADRÕES DE BANCO SÃO MORTOS EM TIROTEIO COM A POLÍCIA.

A polícia civil em uma ação conjunta entre São Paulo e Minas, na cidade de Itamonte-MG, eliminou na noite de sexta para sábado, 21, boa parte dos integrantes de uma quadrilha especializada em assalto a caixas eletrônicos na região.

Ao acompanhar a ação dos assaltantes, a polícia foi identificada e se iniciou um grande tiroteio. Um policial civil ficou ferido mas não corre risco de morte. Já onze dos assaltantes foram mortos durante o tiroteio. Alguns conseguiram fugir e a polícia permanece nas buscas. Abaixo, imagens fortes dos assaltantes mortos. Siga se não tiver restrições.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Protesto de atingidos por enchente termina em confronto com PM


Moradores atingidos pelas enchentes em Altamira, no sudoeste do Pará, entraram em confronto com a tropa de choque da Polícia Militar ontem (20) após bloquear três ruas do bairro mutirão, na região mais afetada pelos alagamentos. A polícia usou balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar a multidão. Uma escavadeira foi usada para remover as barricadas e liberar o acesso às ruas.

Os manifestantes pediam agilidade no atendimento às vítimas da enxurrada que já afeta a mais de 500 famílias após as fortes chuvas que atingiram o município desde a última terça-feira (18).

G1 PA

Uruará começa a sofrer com falta de combustível


As fortes chuvas e o mal tempo que atingem a região oeste do Pará continuam causando prejuízos aos moradores e viajantes. Por causa dos atoleiros na rodovia BR-230, a Transamazônica, imensas filas de carros e caminhões se formam ao longo da via. N cidade de Uruará, já é registrada a falta de combustíveis.

As chuvas continuam com pouca trégua na área. Desde a última terça-feira (18), o trecho entre os quilômetros 205 a 210, entre os municípios de Medicilândia e Ruropólis, é o mais castigado.

De acordo com a Polícia Civil, na cidade de Altamira, houve uma trégua após três dias intensos de chuvas e os moradores da cidade fazem a limpeza e contabilizam os prejuízos.

As áreas mais atingidas foram as localizadas nas proximidades do igarapé Ambé, que corta a cidade e é cercado por barragens. Moradores do bairro Baixão do Tufi estão sendo levados para abrigos e hotéis da cidade.

DOL