quarta-feira, 13 de março de 2019

COMUNIDADE DENUNCIA OS PROBLEMAS DO TRÁFEGO DE CAMINHÕES MADEIREIROS


A reunião do Conselho Municipal de Segurança Pública apreciou nesta terça-feira (12/03) a denúncia encaminhada para a Prefeitura, assinada por mais de 70 moradores da vicinal 14, sobre os problemas ocasionados na estrada, pelo excesso de peso dos caminhões carregados com toras de madeira. Os problemas vão desde a queda nas pontes, até a interrupção do transporte escolar, prejudicando os alunos e o andamento das aulas.
Na vicinal 19, no mês passado caiu um caminhão quando estava passando em cima da ponte, que não resistiu devido ao peso. Para se ter um exemplo do excesso de peso, na ponte do igarapé Arrependido, na rodovia Transamazônica, tem uma placa que diz que o peso máximo permitido é de 24 Toneladas, mas nas vicinais os caminhões andam com mais de 35 toneladas, nestas pontes de madeira que não tem estrutura para suportar tanto peso.
Na vicinal 20, a passagem quase foi totalmente interrompida porque desbarrancou a maior parte da pista. Agora no lugar de um bueiro a Prefeitura fez uma ponte, mas fica a dúvida de quanto tempo irá durar, porque nesta vicinal circulam mais de 8 caminhões por noite. 
Outra preocupação dos moradores é em relação ao transporte escolar. Depois que chove e os caminhões passam os outros veículos não conseguem andar. O Prefeito Alexandre Lunelli explicou que o Governo tem se esforçado para deixar as vicinais em condições, mas que devido ao grande número de caminhões, a Prefeitura não está dando conta de manter as estradas em dia. Além do custo ser muito alto, muitas vezes fica difícil porque está chovendo e as máquinas tem que ficar paradas.
Após o debate, o Conselho Municipal aprovou a proposta de convocar os donos das serrarias, para propor uma solução em conjunto. Esta reunião foi marcada para quinta-feira (14/03) às 17 horas no gabinete do Prefeito. Também foi solicitado ao executivo a possibilidade de o município ter uma lei que impeça o tráfego de caminhões madeireiros, nas vicinais, durante este período de chuva.

ALUNOS SEM HABILITAÇÃO DE MOTO

O segundo ponto de pauta foi sobre o procedimento que a Escola Brasil Novo adotou para garantir a segurança dos alunos e o cumprimento das medidas elencadas  nas audiências públicas, que ocorreram ano passado, principalmente sobre o fato dos adolescentes irem de moto para a escola, sem habilitação e sem capacete. O diretor, Luiz Carlos Suk, explicou que este ano a escola adotou um temo de responsabilidade que os país assinam para terem ciência que só alunos maiores de idade, poderão estacionar dentro do pátio da escola, se usar capacete e o veículo estiver emplacado.
O Conselho avalizou o procedimento da direção da escola. O Diretor, Luiz Carlos Suk, aproveitou a ocasião para solicitar a presença da polícia no horário de saída da manhã e no fim das aulas à tarde.

Por: Luis Henrique Silveira
Fotos: Cleyton Macario
Fonte: ASCOM/PMBN 

Nenhum comentário:

Postar um comentário