sexta-feira, 22 de março de 2019

GOVERNO DO PA DIZ QUE NÃO VAI MAIS INVESTIR EM BLOQUEADORES DE SINAL EM PRESÍDIOS


O Governo do Pará anunciou que não vai mais investir em bloqueadores de sinal nas unidades prisionais do estado e deve melhorar a segurança na entrada dos presídios. Em 2018, foram apreendidos mais de dois mil aparelhos celulares nas casas penais do Pará, ou seja, a cada dez detentos um teria telefone.
Desde fevereiro, os presídios estão sem bloqueadores de celular. O contrato, no valor de R$3,3 milhões, com a empresa que prestava o serviço não foi renovado pelo Governo. Atualmente, o Pará abrira 19.983 detentos, sendo que a capacidade é para 9,9 mil.
De acordo com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), foram encontrados 452 celulares em 2019, até então. Imagens mostram uma das últimas revistas feitas em um presídio. Vários celulares foram apreendidos. Veja no vídeo.
Facilitar ou entrar com aparelho telefônico em estabelecimento prisional é crime e a pena prevista varia de um a três anos de prisão.
Segundo Roberto Magno, mestre em segurança pública, o aparelho nas mãos do detento permite que ele continue cometendo crimes, incluindo a ordem de execução de agentes de segurança, muitas vezes, encomendadas por chefes de facções criminosas que estão presos.

Agente diz que celulares entram de várias formas nos presídios

Um agente penitenciário, que teve a identidade preservada, disse que os aparelhos entram de diversas formas nos presídios.
“Depende da estrutura do prédio, da localização, algumas unidades se encontram em áreas urbanas, o que facilita que eles atuem sem a ajuda de servidores ou de visitantes, que tentam passar com celulares e drogas. As pessoas chegam e jogam o celular lá para dentro”, contou.
Fonte: G1/Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário