quarta-feira, 24 de outubro de 2018

CLIMA TENSO NA REGIÃO DA FLORESTA NACIONAL DE ITAITUBA


Após anunciar um pedido de reforço dos homens da polícia militar para proteção e apoio dos agentes do ICMbio em atuação no interior do Pará, o Ministério do Meio Ambiente foi surpreendido com a decisão do Comando Geral da Polícia Militar, de suspender temporariamente o apoio às ações de fiscalização do Instituto Chico Mendes de Preservação e Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em Trairão, no sudoeste do Pará, depois que o órgão denunciou situações de ameaças. A medida, segundo a PM, considerou o risco à integridade física de policiais militares e de agentes de fiscalização, já que, em 2016, foi registrada a morte de um policial durante ações do órgão.
Entenda o caso
O atentado contra o Ibama ocorreu às 22h do sábado (20), na cidade de Buritis (RO), a 338 km de Porto Velho. Usando um galão de gasolina, um homem ateou fogo em três das 10 viaturas do órgão estacionadas em frente a um hotel. O fogo foi controlado por policiais, evitando que se espalhasse às demais viaturas. Um suspeito do ataque foi preso e autuado por dano ao patrimônio público.
No caso do ICMBio, o incidente ocorreu na sexta-feira (19) à tarde, no município de Trairão (PA), situado na BR-163 e a 1.395 km a sudoeste de Belém. De acordo com o relato oficial, uma equipe estava na Floresta Nacional (Flona) Itaituba 2 para uma ação de combate ao desmatamento. Enquanto isso, foi queimada uma pequena ponte na única estrada de acesso. Quando a equipe chegou ao local, um grupo de moradores se concentrou numa segunda ponte próxima. Agentes do ICMBio relataram ter ouvido tiros.
Em Altamira a Fundação Viver Produzir e Preservar soltou nota de repúdio diante das ameaças à integridade física dos agentes, o desrespeito à legislação ambiental, e os ataques às áreas de preservação. 

Informações Ascom Ibama e ICMbio, Portal G1.com
Fotos: Divulgação MMA

Nenhum comentário:

Postar um comentário