quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

'PROGRAMA ASFALTO NA CIDADE' É SUSPENSO APÓS INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES


A AGE iniciou investigação preliminar que prevê análise
detalhada dos convênios firmados na gestão passada,
alvos de ações judiciais em 2018. Foto: Arquivo 
Com base em parecer do Ministério Público Federal (MPF), a Auditoria Geral do Estado (AGE) recomendou a paralisação do programa "Asfalto na Cidade". A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) acatou o pedido, enquanto trabalha no levantamento de informações técnicas e administrativas que possam levar à retomada dos serviços.
A AGE iniciou investigação preliminar que prevê análise detalhada dos convênios firmados na gestão passada, alvos de ações judiciais em 2018. "O estudo de planilhas e contratos será minucioso", diz o auditor geral do Estado, Giussepp Mendes.
De acordo com o MPF, o ex-governador Simão Jatene, o ex-presidente da Assembleia Legislativa Márcio Miranda, a ex-secretária extraordinária de Municípios Sustentáveis Izabela Jatene, o ex-chefe da Casa Civil José Megale e o ex-secretário de Transportes Pedro Abílio Torres do Carmo são investigados por terem cometido crime de abuso de poder político e econômico na execução do programa. O MPF pede a condenação do grupo.
Garantir o melhoramento da malha viária dos municípios paraenses, com obras de recapeamento e asfaltamento, era o objetivo do Asfalto na Cidade, mas, além de não atingir a finalidade, o programa ainda apresenta uma série de irregularidades executivas, que vão desde o não cumprimento de planilhas até a baixa qualidade do asfalto aplicado. Os convênios também não tiveram publicação no Diário Oficial do Estado, como determina a lei.
A Sedop vai encaminhar à AGE e à Procuradoria Geral do Estado (PGE) levantamento técnico detalhado sobre o programa. “A falta de rigor na fiscalização pela gestão passada foi determinante para que tantas irregularidades fossem detectadas”, avalia o titular da Sedop, Ruy Cabral. O secretário conta com o apoio das prefeituras de 96 cidades que receberam obras do programa, para fechar o diagnóstico das ações, que custaram quase R$ 370 milhões aos cofres públicos, no ano passado.
Acionada, a Federação das Associações de Municípios do Estado (Famep) deve intermediar o contato com as prefeituras. “Por enquanto ainda não temos condições de enviar um técnico a cada lugar, por isso os municípios serão fundamentais no nosso trabalho”, afirma Ruy Cabral. Ainda não há previsão para retomada do Asfalto na Cidade.

Com informações da AgênciaPará

Nenhum comentário:

Postar um comentário